DeeperSoul Blog - Deep & Soulful House Music

Non-commercial and independent music blog. Strictly 4 the love of House...

Thursday, March 24

Guest Review 7 (Manuel Calapez)

Por deformação profissional, antes de reflectir sobre um tema, começo por ver as definições inerentes. Neste caso, tratava-se de uma “guest review” e a definição diz “um comentário a um novo ou recente tema lançado, a escolher pelos próprios”. É então preciso definir o que é um tema “novo”. Um tema lançado há quase trinta anos pode ser considerado um tema novo? Considero que sim, se a sua sonoridade for actual.
Assim decidi distorcer por time-stretch o conceito da review e seleccionar um tema fronteira: “I feel love” de Donna Summers com produção de Giorgio Moroder. Trata-se do primeiro tema feito com os já míticos sintetizadores Moog que consegue atingir níveis de popularidade muito elevados (ed. 1977). Já não se trata de Disco, abandonados que foram os ritmos latinos e os bongos, e ainda não é house (e por conseguinte não é deep-house...), mas para lá caminhava. As vozes sensuais (o prolongado “ooooooh” de Donna Summers), os sons quentes (a linha de baixo cheia) e o erótico-mecânico dos sintetizadores com arpejos sincronizados com a caixa de ritmos, não só eram extremamente apelativos a uma comunidade cada vez mais sexualmente desperta (straight e gay) como também deixavam antever o que se seguiria em termos musicais.
A relevância desta faixa é algo assombrosa por estar intimamente ligada à origem da house. Foi Frankie Knuckels que primeiro se apercebeu do potencial dançante de “I feel love” ao tocá-la no Warehouse de Chicago, obtendo reacções inéditas da multidão dançante. Decide então juntar esta faixa, e várias outras com o toque sintético, às suas escolhas mais habituais de editoras como a Salsoul e Philadelphia International. Claro que o sucesso desta faixa levou à produção de sonoridades muito semelhantes, sendo o mais próximo “Might Real” de Sylvester. No entanto, o “Kitch” do Disco está muito mais associado a este tema do que a “I feel love”, que consegue sobreviver ano após ano, sem parecer datado.
Pouco depois a house de Chicago toma conta das operações a nível de música dançável, originando também a procura por sons progressivamente mais duros e minimais. Até que os produtores se dividem em facções. Num lado, os ritmos duros sem concessões (que acabariam por chegar ao acid house). No outro, a procura de sons menos mecânicos e mais melódicos, no trilho deixado inicialmente por “I feel love”, no que viria a ser o deep-house.
Donna Summers e Giorgio Moroder fizeram uma faixa de encruzilhada, fornecendo acesso tanto aos ritmos minimais como à melodia das vozes. Terá sido porventura mais fácil seguir o caminho rítmico inicialmente, mais hipnótico e sobretudo mais distante do Disco, mas a alma das “canções” acaba por se fazer ouvir e a fazer com que os produtores começassem de novo no último ponto conhecido. Ou seja, “I feel love”, mas desta vez sem a obsessão pela faixa rítmica.
O curioso nesta faixa é que, quando tocada lado a lado com produções house ou com a nova vaga do electro hoje em dia, consegue sempre encaixar nas sonoridades sem parecer deslocada, tanto que quem não conhece a faixa pensa que é uma produção recente! E isso diz muito da sua importância.
.
Manuel Calapez

2 Comments:

  • At 2:35 pm, Anonymous MrCool said…

    I Feel Love Too :)

     
  • At 12:11 am, Blogger Electrobot said…

    MP, já vi que também foste convidado ;).

    Gostei muito de ler a tua participação aqui.

    De facto o I Feel Love da Donna Summer é um tema intemporal.

     

Post a Comment

<< Home